Inicial > Linux-Geral > Pós Instalação do CentOS 6 para Desktop

Pós Instalação do CentOS 6 para Desktop


Esses dias peguei meu desktop para dar um “grau”, o primeiro passo foi escolher a distribuição, levando em conta que estaria dispondo alguns serviços na minha rede, como proxy, ftp e monitoração, além do fato de querer aprimorar meus conhecimentos em sistemas baseados em RedHat, acabei escolhendo o CentOS. Outra coisa bastante interessante mas que não fiz, foi a configuração de LVM (Logical Volume Manager). Mas este é um tópico que será falado quando eu formatar meu note, em breve. MUhahahaa :p


Fui no site do CentOSBR e baixei a imagem do live DVD x64. Instalei o sistema, porém precisei fazer alguns ajustes, que incluiu instalar o flash plugin, o java (serve para acesso ao Banco do Brasil), um repositório mais abrangente e plugins para execução de flv e mp3.

1. ALTERANDO O HOSTNAME

Logo de primeira, achei meio esquisito que ele nao pegou o nome que setei na instalação, mas tudo bem, foi na munheca. Alteração do hostname deve ser feita com o comando ‘hostname’ e também deve ser setado no arquivo ‘/etc/sysconfig/network’, caso contrário, não terá efeito.

# hostname desk
# vi /etc/sysconfig/network
|-> Alterar: HOSTNAME=desk

OBS.: ‘desk’ é o nome do meu computador.

2. ALTERANDO O IDIOMA PADRÃO

Veja como está configurado seu sistema com o comando:

#echo $LANG
en_US.utf8

A variável LANG guarda a informação de idioma e codificação padrão do sistema. Ela é usada por programas para configuração padrão de idioma. Outras variáveis também são utilizadas, podemos ver algumas delas com o comando “locale”.

Para checar informações dos locais existentes, mais especificamente, brasileiro:

#locale -a | grep pt_BR
pt_BR
pt_BR.iso88591
pt_BR.utf8

O parâmetro ‘-a’ exibe todas as informações de eidioma disponíveis no sistema. Agora, perceba o formato que é apresentado, pt_BR.utf8, onde, ‘pt’ representa o idioma, ‘BR’ o país e o ‘utf8’ a codificação, que é a padrão do Linux. A estrutura pt_BR.utf8 é que irei utilizar:

#vi /etc/sysconfig/i18n
|_.Alterar: LANG=”pt_BR.utf8″

Você (que nunca viu isso), deve ter pensado: o que i18n tem a ver coom a linguagem do sistema? rs
O i18n é um termo utilizado na informatica para caracterizar a internacionalização de software. Uma breve pesquisada no google dará uma noção melhor
do seu significado.

3. INSTALANDO O FLASH PLUGIN

Lembrando que este procedimento é para o funcionamento no Firefox. Primeiro baixei o flash no site da Adobe, escolhendo a opção .tar.gz, depois fiz o seguinte:

# cp ~/Downloads/install_flash_player_11_linux.x86_64.tar.gz /opt/
# cd /opt
# tar xzvf install_flash_player_11_linux.x86_64.tar.gz

Depois disso é só copiar o arquivo libflashplayer.so no diretório /usr/lib64/mozilla/plugins/. Perceba que se seu sistema for i386, o diretório deve ser ‘/usr/lib/mozilla/plugins/’. Comandos:

# cp libflashplayer.so /usr/lib64/mozilla/plugins/
# chmod 755 /usr/lib64/mozilla/plugins/libflashplayer.so

A cópia acima é o pulo do gato. Reinicie o Firefox e pronto, funcionando. Futuramente, quando for necessário atualizar o flash, é só fazer a mesma coisa, só que substituindo o ‘/usr/lib64/mozilla/plugins/libflashplayer.so’ pelo novo.

4. INSTALANDO O JAVA

Segue agora a instalação do java para desktop. Primeiro instalei o icedtea-web (só disponível centos 6). É esse o cara que inicia o java, quando acessamos uma página que necessite dele. Se você instalar somente o java, não funcionará.

# yum install icedtea-web

Depois fiz o download do java (site oficial), extensão rpm e instalei:

# rpm -ivh ~/Download/jre-7u15-linux-x64.rpm

Em seguida, fiz umas modificações:

# alternatives –install /usr/bin/java java /usr/java/latest/bin/java 5
# alternatives –config java
There are 5 programs which provide ‘java’.
Selection    Command
———————————————–
1           /usr/lib/jvm/jre-1.4.2-gcj/bin/java
2           /usr/java/jre1.6.0_13/bin/java
3           /usr/java/jre1.6.0_18/bin/java
*+ 4           /usr/lib/jvm/jre-1.6.0-openjdk.x86_64/bin/java
5           /usr/java/latest/bin/java
Enter to keep the current selection[+], or type selection number: 5

Configura a biblioteca:

# cd /usr/lib64/mozilla/plugins/
# ln -fs /usr/java/latest/lib/amd64/libnpjp2.so

Reinicia o firefox.

5. ADICIONANDO O REPOSITÓRIO RPMFORGE

Na instalação padrão do CentOS, somente os repositórios BASE, DEBUG, MEDIA e VAULT são instalados, porém, para usarmos a distro em desktop, torna-se necessário instalarmos outro(s) repositório(s). No meu caso, dei uma breve pesquisada sobre quais eram as opções, dentre alguns sites, me deparei com este:

http://dan-scientia.blogspot.com.br/2012/03/repositorios-extras-para-o-centos.html

Escolhi o RPMforge por questões de compatibilidade, segundo alguns posts na web.

Segue um guia para instalação do RPMFORGE. Primeiro, baixe o pacote que irá instalar o rpmforge, de acordo com a arquitetura do seu sistema. Para saber, rode o comando:

# uname -i

Se o seu sistema for i686:

# wget http://packages.sw.be/rpmforge-release/rpmforge-release-0.5.2-2.el6.rf.i686.rpm

Se for x64:

# wget http://packages.sw.be/rpmforge-release/rpmforge-release-0.5.2-2.el6.rf.x86_64.rpm

Agora importe a chave GPG para o repositório:

# rpm –import http://apt.sw.be/RPM-GPG-KEY.dag.txt

Verifique se o pacote baixado está OK:

# rpm -K rpmforge-release-0.5.2-2.el6.rf.*.rpm

Instale o repositório :

# rpm -ivh rpmforge-release-0.5.2-2.el6.rf.*.rpm



—————–!!—————–
EDIT: Como alternativa, para instalar o EPEL, rode o seguinte comando:

# rpm -Uvh http://dl.fedoraproject.org/pub/epel/6/x86_64/epel-release-6-8.noarch.rpm

Lembre-se de não usar mais de um repositório ao mesmo tempo, ou você terá problemas com versões de pacotes.
—————–!!—————–


Para ver se o repositório foi instalado com sucesso e está habilitado, rode o comando:

# yum repolist
Loaded plugins: fastestmirror, refresh-packagekit, security
Loading mirror speeds from cached hostfile
* base: mirror.globo.com
* extras: mirror.globo.com
* rpmforge: mirror.us.leaseweb.net
* updates: mirror.globo.com
repo id                                                                repo name                                                                                 status
base                                                                   CentOS-6 – Base                                                                           6.346
extras                                                                 CentOS-6 – Extras                                                                            17
rpmforge                                                               RHEL 6 – RPMforge.net – dag                                                               4.458
updates                                                                CentOS-6 – Updates                                                                        1.233


6. INSTALANDO PACOTES MULTIMIDA

A instalação de alguns pacotes é necessária para podermos escutar músicas, ver vídeos… então o básico para .flv e .mp3 é resolvido com a instalação dos seguintes plugins (ou clique sobre o arquivo e instale via interface gráfica):

# yum install gstreamer-plugins-bad gstreamer-ffmpeg gstreamer-plugins-ugly

Junto com esses pacotes, virão muitos outros. São as dependências. Essa é a idéia de instalar um .rpm com o yum, usando o argumento ‘localinstall’, ‘yum localinstall <pacote>’. Por mais que o pacote não esteja nos repositórios, mas necessite de algumas dependências, o yum busca por elas nos repositórios e realiza a instalação automaticamente.

Não foi meu caso preparar esta máquina para visualizar todo tipo de arquivo, porém, se for o seu, veja esses links:

http://wiki.centos.org/TipsAndTricks/MultimediaOnCentOS
https://www.centos.org/modules/newbb/viewtopic.php?topic_id=34989


REFERÊNCIAS

Para instalação do Flash:

http://www.cyberciti.biz/faq/redhat-linux-yum-install-flash-player-for-firefox/

Para instalação do Java:

http://wiki.centos.org/HowTos/JavaOnCentOS
http://wiki.centos.org/HowTos/JavaRuntimeEnvironment

Para instalação do RPMforge

http://wiki.centos.org/AdditionalResources/Repositories/RPMForge

Qualquer dúvida ou comentário, fique à vontade.

Anúncios
Categorias:Linux-Geral
  1. Cristiano Azevedo
    11 de agosto de 2013 às 19:04

    Renato, obrigado por compartilhar. Ajudou também na minha decisão sobre a distribuição, visto que tenho interesse pelo Redhat. Vlw.

  2. 22 de janeiro de 2014 às 11:26

    Cara, você consegue acessar o BB nesta instalação? Há muitas controvérsias sobre o plugin de segurança BB em instalações Linux. Vou instalar o CentOS no meu notebook em substituição ao Windows que tá me matando de raiva e acesso o sistema do BB diariamente, por isso a pergunta.

    • 22 de janeiro de 2014 às 11:38

      Opa Carlos, beleza? Nunca tive problemas de acesso ao banco do brasil no Linux, o grande lance é manter o java atualizado. Se for seguir essa dica, baixe a versão mais atual do java, pois a do post é antiga. Valeu, abraço.

      • 22 de janeiro de 2014 às 11:47

        Sim, claro, sempre uso a mais recente. Se funciona, beleza! É que o pessoal de suporte de qualquer coisa não sabe nada do que fala, o da internet chegou ao cúmulo de dizer que cable modem leva mais de 30 minutos pra alinhar, quando nós que trabalhamos com TI sabemos que isso não existe haha, valeu cara.

      • 23 de janeiro de 2014 às 08:56

        Sei como é. Siga essa dica, se tiver algum problema, me manda um e-mail que te dou uma força. Abraço 😉

  3. Vilson
    11 de março de 2016 às 11:19

    Flw Pedro! boa dica para quem como eu vem de outros sabores linux (Debian)! Continue postando e colaborando com “os do contra”!

  4. 28 de julho de 2016 às 12:48

    Muito interessante… Apesar de o assunto ser antigo (2013) como está a ideia de usar o CentOS como sistema operacional no Desktop para o dia a dia?? É algo viável? Por exemplo: Se uso o Ubuntu há 10 anos e desejo passar a usar o CentOS seria uma sofrimento essa mudança? eu terei os programas que já uso no Ubuntu? Pela experiência de vocês o que eu ganharia com a mudança e o que eu perderia? O CentOS conta com sistema de atualizações “automatizadas”? Conta com suporte para o caso de “pacotes quebrados”, “dependências desencontradas”? Quais interfaces posso usar?

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: